Digite sua busca e aperte enter


Protesto Guarani na Esplanada

Imagem:

Compartilhar:

Abaixo-assinado mobiliza internautas pela causa dos índios Guaranis Kaiowás

Criado em 24/10/12 13h22 e atualizado em 24/10/12 15h09
Por Davi de Castro Fonte:EBC

Guarani Kaiowá
Indígenas suspeitam que ataques possam ter sido de fazendeiros da região. (Foto: Wilson Dias / ABr)

Um abaixo-assinado divulgado na internet tem sensibilizado internautas a favor dos índios Guaranis Kaiowás, do Mato Grosso do Sul. Até o começo da tarde da quarta-feira (24), mais de 140 mil pessoas haviam assinado o documento, que alerta o "sério risco de  genocídio" da etnia e exige ação urgente do governo Dilma e do governador André Puccinelli "para que impeçam as matanças e junto com elas a extinção desse povo".

O documento que recolhe as assinaturas apresenta também uma carta de socorro da comunidade indígena. O relato denuncia a morte de integrantes da comunidade e o desamparo assistencial. "Estamos aqui acampados a 50 metros do rio Hovy onde já ocorreram 4 mortos, sendo que 2 morreram por meio de suicídio, 2 em decorrência de espancamento e tortura de pistoleiros das fazendas". Profundamente afetados pela perda de boa parte de seu território, os indígenas declaram: "já perdemos a esperança de sobreviver dignamente e sem violência em nosso território antigo, não acreditamos mais na Justiça Brasileira."

O Conselho Indigenista Missionário (Cimi), entidade ligada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), divulgou nota negando a interpretação dada por veículos noticiosos e comentários em redes sociais de que a carta de socorro indicasse a intenção dos indígenas de realizar um "suicídio coletivo". Segundo a entidade, trata-se da manifestação de resistência. "Eles falam em morte coletiva (o que é diferente de suicídio coletivo) no contexto da luta pela terra, ou seja, se a Justiça e os pistoleiros contratados pelos fazendeiros insistirem em tirá-los de suas terras tradicionais, estão dispostos a morrerem todos nela, sem jamais abandoná-las", diz a nota.

A carta dos indígenas foi divulgada após a Justiça Federal determinar a saída de cerca de 30 famílias da etnia Guarani Kaiowá da aldeia Passo Piraju, onde viviam há dez anos em Porto Cambira, em Mato Grosso do Sul. A região é disputada por índios e fazendeiros. Em 2002, acordo mediado pelo Ministério Público Federal (MPF) em Dourados destinou 40 hectares da fazenda para a etnia. Porém, o proprietário da área recorreu à Justiça.

Protesto Guarani na Esplanada
Cruzes no gramado da Esplanada dos Ministérios simbolizam índios mortos e ameaçados (Wilson Dias/ABr)

Segundo o Cimi, foram assassinados no país 503 índios entre 2003 e 2011. Do total, mais da metade, 279 são do povo Guarani Kaiowá. Na última sexta-feira (19), cinco mil cruzes foram colocadas no gramado da Esplanada dos Ministérios, próximo ao Congresso Nacional, simbolizando os índios mortos e ameaçados, especialmente os Guaranis Kaiowás, que, de acordo com os organizadores do protesto, é a etnia que mais sofre com a violência fundiária. A manifestação foi organizada por comunidades indígenas e entidades de defesa e também reivindicou a homologação e demarcação das terras.

Veja reportagem do Outro Olhar sobre os Guaranis Kaiowás:

 

Entenda:

Em protesto, índios cobrem gramado da Esplanada dos Ministérios com cruzes

Justiça determina saída de guaranis kaiowás de área em Mato Grosso do Sul

Ministério Público vai catalogar documentos que comprovem expulsão de índios no MS

Funai não consegue intermediar conflito em MS por falta de acompanhamento policial

Índios ocupam fazenda no MS e cobram conclusão de processo demarcatório

Comunidade Guarani Kaiowá é novamente atacada a tiros no MS

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade