Digite sua busca e aperte enter


Compartilhar:

Caravana de Ayotzinapa chega ao Brasil para debater desaparecimentos forçados

Criado em 20/05/15 19h22
Por Akemi Nitahara – Repórter da Agência Brasil Edição:Aécio Amado Fonte:Agência Brasil

Chega ao Brasil no dia primeiro de junho a Caravana 43, movimento que reúne parentes dos desaparecidos, estudantes e professores da Escola Normal Rural de Ayotzinapa. No dia 26 de setembro do ano passado, 43 estudantes da Ayotzinapa desapareceram após a forte repressão policial a uma manifestação na cidade de Iguala, estado de Guerrero, no México. A Caravana 43 Sudamérica estará em São Paulo de 1º a 4 de junho, em Porto Alegre de 5 a 8 e no Rio de Janeiro de 9 a 12 de junho.

Com o slogan “Vivos os levaram, vivos os queremos: o desaparecimento de 43 estudantes de Ayotzinapa – México”,  um evento preparativo foi feito hoje (20) no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-RJ), no Maracanã, para lembrar os estudantes desaparecidos. Várias atividades artística, acadêmica e política foram desenvolvidas. Um grupo de estudantes mexicanas que fazem mestrado no Brasil fez uma exposição do caso no contexto político mexicano.

Os alunos do Cefet pintaram o rosto dos 43 desaparecidos e fizeram uma adaptação de uma música mexicana em homenagem aos estudantes, finalizando com uma intervenção teatral e a soltura de 43 balões brancos e seis vermelhos, simbolizando os desaparecidos e mortos na intervenção policial. A professora Marisa Brandão, da coordenação de sociologia do Cefet, explicou que o evento foi feito dentro da proposta de levar a realidade latino-americana para dentro da escola e compartilhar as experiências.

“A gente pode ajudar [os mexicanos] difundindo essa história completa, o máximo possível. Entendendo que não é um caso isolado, é um caso que tem a ver com a economia e com a política mexicana, com a reforma da educação básica no México. Então, quanto mais a gente puder difundir essa história, mais a gente vai ajudar a pressionar o governo mexicano a reabrir as investigações, porque eles encerraram as investigações sem nada comprovado”, disse.

A Caravana 43 Sudamérica informou, por meio da assessoria de imprensa, que a investigação da polícia concluiu que os 43 estudantes foram sequestrados e mortos por traficantes, mas diversas entidades, pesquisadores e jornalistas provaram que a versão oficial é inverossímil e consideram que o crime ainda não foi esclarecido.

Para a professora Marisa, os brasileiros têm muito a aprender com a luta dos mexicanos e também deve debater a questão dos desaparecimentos forçado, presentes na nossa sociedade. “No debate. teve aluno fazendo essa relação com os nossos desaparecimentos, os nossos presos políticos atuais, os 23 presos políticos [das manifestações de 2013 e 2014]. Os desaparecimentos que a gente tem, de populares, de moradores de favelas, que é como se não existissem, então se desaparecer não se fala tanto. Também nesse sentido, para alertar para a gente que isso acontece aqui também, de uma forma diferente, mas acontece também”, ressaltou.

A Rede de Coletivos em Solidariedade por Ayotzinapa organiza eventos desde outubro para divulgar o caso e cobrar investigação e punição para os culpados, além de debater o problema dos desaparecimentos forçados.

Editor Aécio Amado
Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário