Digite sua busca e aperte enter


Compartilhar:

Mulheres em rede: internet se consolida como espaço de mobilização

Criado em 09/12/15 16h51 e atualizado em 07/07/16 16h46
Por Marília Arrigoni Edição:Ana Elisa Santana Fonte:Portal EBC

Mais do que ambiente para a busca de informações e de comunicação, a internet se estabeleceu como espaço estratégico para a defesa dos direitos da mulher. Em 2015, a grande rede foi massivamente ocupada por diferentes campanhas que denunciaram assédios, atos de machismo e buscaram ampliar o espaço da mulher em diferentes lugares.

“A rua e a rede são igualmente espaços a serem conquistados. A cada ciclo disso [de novas hashtags], espero que a gente dê mais um passo em que a desigualdade não seja natural. Da mesma forma em que há marcha nas ruas, talvez exista uma marcha de hashtags na internet", defendeu a criadora da campanha #AgoraÉQueSãoElas, Manô Miklos, durante a roda de conversa Hashtag Feminismo, na terça-feira (8), durante o Emergências 2015. Segundo ela, a escolha pelo meio por onde se manifestar depende do perfil e da realidade de cada mulher: "O que fica é a complementaridade; tem lugar para todas as ações. Talvez algumas de nós tenha mais escolhas sobre estratégias de luta, e outras que têm que lutar para estar viva”, explica.

Manô Miklos, criadora da #AgoraÉQueSãoElas, no Emergências 2015
Manô Miklos, criadora da #AgoraÉQueSãoElas, no Emergências 2015. Foto: Marília Arrigoni/EBC

A militante nas redes sociais pelo feminismo negro Stephanie Ribeiro considera que as hashtags popularizam o que antes estava restrito às pessoas na academia: "vai criando um discurso tão grande que hoje há crianças querendo discutir o feminismo na escola”, afirma.

 

Atuante no coletivo feminista Think Olga, que criou os movimentos #PrimeiroAssédio e #ChegadeFiuFiu, Luise Bello afirma que depois de viralizadas, as hashtags passam a não ter dono. “A #PrimeiroAssédio é de todo mundo que compartilhou. Com quatro dias, já havia oito mil mensagens no Twitter. A hashtag não foi do Think Olga, foi das mulheres que tinham guardado aquilo pela vida inteira", defende.

"A gente faz tudo pela internet, por que não vai lutar pelos nossos direitos também? Essa onda eu vejo como uma retomada da voz das mulheres. Não há limite entre online e offline. As campanhas começam na internet, mas a gente vai sendo chamada para falar sobre isso na vida real. Essas hashtags trazem grandes transformações nas vidas das mulheres e isso não tem  preço”

Luise Bello, ativista do Think Olga

As ações na web em outros países da América do Sul foram lembradas pela ativista e criadora #NiUnaMenos, Marta Dilon. A campanha na Argentina saiu no ambiente da web e foi para as ruas em junho deste ano, em uma grande marcha contra a violência de gênero. “Nós não queremos clemência, nem piedade [...] não queremos nem uma a menos. Queremos ser respeitadas como pessoas, como seres autonômos. Por isso, seguimos reclamando nossos direitos, como o do aborto, porque temos soberania sobre nossos corpos. Os assuntos extrapolam as hashtags e a internet, e isso é uma potência também”, acredita.

Marta Dilon, Stephanie Ribeiro e Luise Bello falam sobre mobilizações feministas na web durante o Emergências 2015
Marta Dilon, Stephanie Ribeiro e Luise Bello falam sobre mobilizações feministas na web durante o Emergências 2015. Foto: Marília Arrigoni/EBC
Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário