Digite sua busca e aperte enter


Estudantes fazem saudação nazista em trote na Faculdade de Direito da UFMG

Imagem:

Compartilhar:

Comissão instituída pela UFMG tem autonomia para investigar influência de organizações externas em trote

Criado em 11/04/13 19h04 e atualizado em 12/04/13 16h42
Por Léo Rodrigues Fonte:Portal EBC

Estudantes fazem saudação nazista em trote na Faculdade de Direito da UFMG
Estudantes fazem saudação nazista em trote na Faculdade de Direito da UFMG. (foto: Reprodução / Facebook)

Os trabalhos da Comissão de Sindicância instituída para apurar o trote da Faculdade de Direito da UFMG tem prazo inicial para serem concluídos em 19 de abril, podendo ser prorrogado por mais 30 dias. A vice-reitora da UFMG, Rocksane Norton, diz que os trabalhos são conduzidos em sigilo e a metodologia adotada só será apresentada no relatório final. Ainda assim, ela alega que, dependendo da evolução da investigação, a influência de organizações externas no trote pode ser analisada.

Uma das imagens do polêmico trote traz estudantes em saudação nazista, ao lado de um calouro pintado de preto. A repercussão cresceu nas redes sociais quando alguns internautas se indignaram com postagens presentes no perfil do aluno Gabriel Spínola. Entre diversos comentários, ele faz elogios ao ditador alemão Adolf Hilter e ao líder dos skinheads "whitepower" Nick Griffin, nega o holocausto e diz estar havendo um genocídio de brancos.

LEIA TAMBÉM:
- Ministério Público avalia denúncia da agressão de neonazista em BH
- Mapa da intolerância: região sul concentra maioria dos grupos neonazistas
- Vácuo jurídico e pouco investimento na PF são entraves no combate aos neonazistas
- Pais que incitam ódio e racismo aos filhos podem perder a guarda

Nas redes sociais, também se tornou público o fato de que Gabriel Spínola conhecia pessoalmente Antônio Donato Baudson Peret, que aparece em fotos na internet agredindo um morador de rua. Em seu perfil no Facebook, o próprio Antônio dá evidências de que tem contato com o estudante e o critica pelo fato do trote ter colocado os skinheads em evidência.

Postagem de Antonio Peret sobre Gabriel Spínola  (foto: Reprodução / Facebook)

Comissão

Segundo Rocksane Norton, a universidade não tem papel de polícia e por isso só pode investigar e punir casos que aconteçam na própria instituição. A participação de um estudante em organizações externas não é assunto para nenhuma Comissão de Sindicância, embora a influência desses grupos no episódio específico do trote possa ser eventualmente considerada. "O nosso regimento é claro. Qualquer ato de violencia, pressão ou contrangimento a qualquer membro da comunidade universitária é passível de suspensao e até expulsão do curso", ressalta.

A vice-reitora ressalta que a universidade tem também um papel educativo. "A instituição precisa promover o debate amplo sobre o tema e acho que vem cumprindo esse papel em certa medida. Nós temos vários grupos de pesquisa e de inclusão social que discutem a questão de gênero e a homofobia, por exemplo. São iniciativas pulverizadas, mas acredito que estamos avançando", relata ela.

Para Rocksane Norton, a imagem da universidade não ficou comprometida com o episódio. "É claro que é uma situação lamentável e alguma relação será feita com a instituição. Mas nossa resposta imediata foi bastante contundente. A gente já vinha desenvolvendo a campanha 'Trote não é legal' e, após o espisódio, nós realizamos debates, publicamos uma nota de repúdio e manifestamos nossa surpresa e indignação. Precisamos lembrar também que a universidade é reflexo da sociedade e recebe todo tipo de estudante", finalizou.

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário