Cursos do Pronatec vão estimular empreendedorismo

Yara Aquino - Agência Brasil 28.05.2013 - 13h39 | Atualizado em 28.05.2013 - 13h55

Brasília - A partir do segundo semestre, cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Profissionalizante (Pronatec) passam a ter conteúdos para estimular o empreendedorismo. Inicialmente, a disciplina vai chegar a 15 cursos de educação profissional que abordarão temas como plano de vida e carreira e atitude empreendedora. A expectativa é ter 1,3 milhão de alunos com acesso aos conteúdos, em 2014, e 5 mil professores capacitados.


A disciplina empreendedorismo terá carga horária de até 52 horas e contará com materiais como cartilhas e vídeos, de acordo com informações do Sebrae(CNI/ Divulgação)

As ações do Pronatec Empreendedor foram apresentadas hoje (27) pelo Ministério da Educação e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). A intenção é formar profissionais com habilidade para criar negócios inovadores e desenvolver competências para o mercado de trabalho.

Na avaliação do presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Luiz Barreto, inserir o empreendedorismo no Pronatec é um passo importante, mas é preciso incentivar o estudante cada vez mais cedo. “O Brasil precisa criar uma cultura empreendedora desde o ensino fundamental, passando pelo médio e chegado ao universitário”, disse.

A disciplina empreendedorismo terá carga horária de até 52 horas e contará com materiais como cartilhas e vídeos, de acordo com informações do Sebrae. A capacitação dos professores será a distância, por meio da internet, e oferecerá especialização em educação empreendedora. As instituições de ensino vão receber um kit com material sobre o tema.

Durante discurso, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, citou o ensino técnico e a inovação como itens fundamentais para o desenvolvimento do país. “É preciso impulsionar as cadeias produtivas para gerar mais valor agregado, produzir com mais qualidade, reduzir custos e ter inovação em processos e produtos para o Brasil ganhar competitividade. Nada disso acontece se não priorizarmos a educação.”

Edição: Talita Cavalcante

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0