X

Digite sua busca e aperte enter


Compartilhar:

Reforma do ensino médio não deve se limitar a conteúdo, diz especialista

Criado em 07/07/15 14h52
Por Yara Aquino – Repórter da Agência Brasil Edição:José Romildo Fonte:Agência Brasil

A reformulação do ensino médio e a construção de uma base nacional curricular comum para essa etapa foram temas de discussão hoje (7) em seminário na Comissão de Educação, na Câmara dos Deputados. O integrante do Conselho Nacional de Educação (CNE) José Fernandes de Lima alertou que a base nacional comum não deve se limitar a uma lista de conteúdos, mas ir além e tratar, por exemplo, da formação dos professores e da relação entre União, estados e municípios.

Lima destacou ainda que o currículo comum não pode partir da opinião uma única pessoa ou organização, mas ter o consenso da sociedade. “Uma agenda educacional de um país não pode deixar de responder a três coisas: para quem temos que oferecer educação, para quê e como vamos oferecer essa educação”, disse.

O Plano Nacional de Educação (PNE) estabelece que a base nacional curricular comum da educação básica deve estar concluída até junho de 2016.

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), Eduardo Deschamps, considera que, atualmente o conteúdo do ensino médio está direcionado para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Estamos fazendo um Enem modelador dos currículos como se a gente só formasse no ensino médio como uma etapa de transição para a faculdade”, disse.

Na avaliação de Deschamps não é possível resolver os problemas do ensino médio sem focar na etapa anterior que são os anos finais do ensino fundamental. “No ensino fundamental dois começa o grande problema que só é reforçado na hora de entrar no ensino médio. O problema não está todo no ensino médio. Se não tivermos o olhar sobre o fundamental dois, o projeto de uma base nacional comum será inócuo”, disse.

O diretor de currículo e educação integral da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, Ítalo Dutra, ressaltou a importância de um esforço conjunto entre União, Estados e Municípios na construção da base nacional comum. “É um esforço de produzir um entendimento nacional em torno desse assunto e que precisa ser revisado periodicamente e pensado do ponto de vista de um pacto federativo”, disse.

Ele informou que o ministério está recebendo documentos curriculares dos entes federados que vão contribuir para a elaboração de um texto da base comum a ser colocado em consulta pública. Ítalo Dutra disse que é preciso discutir também a forma como a base comum será colocada em prática.“Pensar em organização curricular para o ensino médio significa também pensar no como e discutir como isso será operacionalizado do ponto de vista de estados e municípios”, disse.

Para a presidenta da União Brasileira dos Estudantes (Ubes), Bárbara Melo, o atual modelo do ensino médio é pouco atraente por estar distante da realidade dos jovens e ter conteúdos que não dialogam entre si. Mudar esses pontos é  fundamental para elaborar uma base comum, na avaliação de Bárbara. Ela também destacou a importância de incluir conteúdos locais.

“O conteúdo muitas vezes parece desconectado. A pessoa vê física em um quadrado, biologia em outro”, disse. Bárbara Melo acrescentou: “É importante que o ensino seja integrado. E a escola precisa absorver novas tecnologias. É um absurdo o estudante não poder usar o celular em sala. Não é uma tecnologia dentro de sala que vai fazer o aluno se distrair, é a forma como o conteúdo é dado”.

O deputado Wilson Filho (PTB-PB) também avalia que o atual modelo está ultrapassado e que é necessário reformular o ensino médio para garantir a permanência dos estudantes nas salas de aula e estimular também os professores. “Todos concordamos que o atual modelo do ensino médio está desinteressante e ultrapassado. É um modelo desinteressante para estudantes e professores e temos a obrigação de mudar isso”, disse.

Editor José Romildo
Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário