Fifa garante abertura da Copa do Mundo de 2014 em São Paulo

Camila Maciel - Agência Brasil 19.08.2013 - 14h11 | Atualizado em 19.08.2013 - 14h30

Secretário-geral Jérôme Valcke vistoriou a arena nesta segunda-feira (19/8) e disse estar satisfeito com o progresso das obras (Foto: Portal da Copa)

São Paulo – Com 86% da construção do estádio do Corinthians, o Itaquerão, concluídos, o secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Jérôme Valcke, garantiu que a abertura da Copa do Mundo 2014 ocorrerá em São Paulo. Ele vistoriou a arena hoje (19) e disse estar satisfeito com o progresso das obras. “Durante a Copa das Confederações, tivemos uma reunião de emergência, porque tínhamos preocupação com a data de entrega. Olho a minha volta e posso afirmar que o estádio será entregue em tempo não só para a abertura, mas também para os eventos-testes”, declarou. A previsão é que a entrega seja feita em dezembro deste ano.

Leia também:

Copa do Mundo: venda de ingressos começa nesta terça

Confira a tabela do Brasileirão 2013

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, disse estar confiante na entrega do estádio no prazo previsto. Para ele, a Copa das Confederações mostra o compromisso do Brasil com a entrega das arenas para os jogos. “Fizemos os jogos em seis estádios, dois entregues no prazo e quatro, um pouco depois. Foi um sucesso de público e um êxito técnico. Nossos aeroportos funcionaram, a segurança pública garantiu a integridade dos turistas, da população, de jornalistas, mesmo em meio a grandes manifestações que coincidiram com os jogos”, avaliou.

Ele destacou que, conforme dados de consultorias internacionais, a Copa do Mundo de 2014 pode gerar para o Brasil 3,6 milhões de empregos. Além disso, proporcionará a vinda de 600 mil turistas do exterior, e 3 milhões de brasileiros devem circular pelos estados que receberão os jogos. Entre os legados sociais, Aldo salientou também que o estádio em São Paulo está sendo construído na zona leste, região que tem menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do município. “Isso contribuiu para melhorar as condições dessa região, com escolas técnicas, obras de mobilidade urbana, além deste grande equipamento esportivo”, destacou.

Sobre os demais estádios que faltam ser entregues, o ministro disse que espera um aumento do ritmo das obras na fase de acabamento. “O que nós achamos é que alguns estádios precisam passar pela experiência que os outros estádios tiveram. Como foi o caso de Pernambuco. Só foi possível fazer a entrega porque houve uma aceleração razoável. É isso que nós defendemos para que os prazos sejam cumpridos”, explicou. Ele apontou como atividades que podem ser feitas simultaneamente as instalações elétricas, hidráulica, e de elevadores.

Perguntado se a Fifa tem conversado com o governo brasileiro sobre a onda de manifestações que ocorreram durante a Copa das Confederações, o secretário-geral disse que esse tema faz parte dos assuntos tratados, assim como a mobilidade e o uso dos estádios. “Hoje é impossível dizer que nada vai acontecer. Pode haver manifestações. Mais, menos ou nenhuma. O importante é que o COL [Comitê Organizador Local] e o governo brasileiro organizaram os jogos com as manifestações e da mesma forma nós organizaremos a Copa do Mundo”, garantiu.

Edição: Juliana Andrade

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0