Digite sua busca e aperte enter


Imagem: Nagesh Jayaraman / CC

Compartilhar:

Sete atitudes para ser um bom pai

Criado em 20/05/16 06h36 e atualizado em 23/05/16 08h15
Por Fundação Maria Cecília Souto Vidigal

A paternidade sempre é um tema importante, principalmente porque, cada vez mais, pesquisas apontam que a presença do pai na vida dos filhos, especialmente nos primeiros anos de vida, contribui sensivelmente para o bom desenvolvimento das crianças.  No seu trabalho, ajude os pais a cumprirem o seu papel da melhor maneira possível.

Não existe receita para ser um pai nota 10, mas existem algumas condutas que podem ajudar a exercer a paternidade com mais tranquilidade.

A matéria que inspirou este post foi publicada no portal IG. Ela faz uma boa reflexão sobre a paternidade, dando dicas que fortalecem a relação do pai com seus filhos. Adaptamos algumas, que compartilhamos aqui, para você trabalhar com os pais com quem atua na Primeira Infância (período da gestação aos seis anos):

1. Participe ativamente e com frequência da vida escolar

Falar sobre as experiências diárias da criança, comparecer às reuniões e festas na escola, levar ou buscar o filho na creche ou pré-escola são algumas atitudes importantes para garantir mais apoio à aprendizagem da criança.

2. Não troque afeto por presentes

Carinho não pode ser trocado por bens materiais. Levar para o filho um presentinho no final do dia, ao voltar do trabalho, não significa envolvimento.

3. Carinho é tudo

Masculinidade e afeto devem conviver em harmonia. É importante beijar e abraçar a criança. Ela precisa desse contato para se sentir amada. Brincar com as filhas, por exemplo, faz parte de uma paternidade ativa. É preciso haver uma interação física com a criança também durante as brincadeiras.

4. Não seja autoritário, mas tenha autoridade

Berros e ameaças não garantem respeito. Impor regras, sem explicá-las, também não. A criança precisa entendê-las para obedecê-las.

5. Não seja excessivamente permissivo

Dizer sempre para o filho: “resolve lá com sua mãe”, não se colocar, não estabelecer limites são posturas prejudiciais ao desenvolvimento das crianças, que precisam de segurança e boas referências.

6. Garanta seu espaço

Em algumas famílias, as mães acabam tomando o lugar dos pais em posições e atitudes que precisam, no mínimo, ser divididas. Desautorizar ou ser desautorizado não favorece o bem-estar dos filhos e não constrói uma relação familiar de confiança e respeito.

7. Seja um bom cidadão

O pai é referência, por isso, ser exemplo é importantíssimo. Tratar as pessoas com respeito, especialmente a mãe de seus filhos, cumprir combinados, viver eticamente são posturas essenciais para qualquer um. No entanto, essas atitudes assumidas pelo pai ganham mais peso e significado no desenvolvimento de seu filho.

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário