X

Digite sua busca e aperte enter

Luiz Ayrão fala de sua nova música sobre a seleção brasileira no Sem Censura

Publicado em 07/06/2018 - 16:25

Cantor e compositor fez sucesso com "Meu Canarinho" que embalou os craques de 1982


A menos de uma semana para o início da Copa do Mundo da Rússia, o cantor e compositor Luiz Ayrão fala sobre a música "Chegou a Hora, Brasil! que fez sobre a seleção para esse mundial na conversa com Vera Barroso no Sem Censura desta sexta (8), ao vivo, às 17h30, na TV Brasil.

O programa também debate o uso medicinal da cannabis com o farmacêutico Haynes Felipe da Silva, pesquisador da Fiocruz, e Margarete Brito, presidente da Associação de Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis Medicinal. O jornalista Gilberto Scofield fala sobre a adoção tardia de criaças e feita por casais gays.

Luiz Ayrão revela como surgiu a ideia de criar mais uma canção com a temática do futebol. O artista conta quais são as suas expectativas para a Copa do Mundo deste ano, o que espera da seleção e a repercussão do torneio dentro e fora dos gramados.

O músico lembra de outro hit que compôs relacionado ao esporte. Luiz Ayrão é o autor do sucesso "Meu Canarinho", trilha sonora que fez para a Copa do Mundo da Espanha, em 1982. Naquela oportunidade, a seleção brasileira encantou os torcedores com o talento de craques como Zico, Sócrates, Toninho Cerezzo e companhia.

O farmacêutico Haynes Felipe da Silva fala sobre o uso medicinal da cannabis. O pesquisador da Fiocruz e diretor executivo da Fiotec explica em que casos se aplica, para quais doenças e os benefícios.

O avanço das pesquisas sobre o tema no Brasil também são assunto do profissional. O farmacêutico comonta o anúncio da Anvisa que vai regulamentar a plantação para pesquisa. Vários seminários internacionais da comunidade científica analisam o tema.

O Sem Censura também recebe Margarete Brito, presidente da Associação de Apoio à Pesquisa e Pacientes de Cannabis Medicinal. A convidada explica que seu interesse pela questão começou com a doença da filha que tinha 70 convulsões por dia apesar dos uso de medicamentos forte. Agora, com cannabis, a moça sofre apenas três convulções diárias.

O jornalista Gilberto Scofield participa do programa para destacar a importância da adoção de crianças e comenta especialmente a adoção tardia e por gays. Ele e o companheiro adotaram um menino negro de quatro anos e, mais recentemente, adotaram a irmã dele que já tinha 17 anos.

 

Serviço
Sem Censura – quinta-feira (8), às 17h30, na TV Brasil

 

Compartilhar: