Digite sua busca e aperte enter


 José Cruz/Agência Brasil

Imagem:

Compartilhar:

Greves no Distrito Federal continuam com adesão de mais uma categoria

Criado em 09/11/15 16h20 e atualizado em 09/11/15 16h35
Por Da Agência Brasil Edição:Maria Claudia Fonte:Agência Brasil

Servidores da Companhia Energética de Brasília entraram em greve nesta segunda-feira (9) por tempo indeterminado. De acordo com o sindicato da categoria – STIU-DF – serão mantidos os serviços emergenciais e um quadro mínimo de funcionários de 30% para que a população não seja prejudicada. Os servidores cobram maior índice no reajuste salarial, aumento do piso da categoria, pagamento de auxílio-transporte e auxílio-creche e fornecimento de indenização no caso de morte ou invalidez permanente.

Desde o inicio de outubro, diversas categorias profissionais estão paradas no Distrito Federal. As greves começaram por causa do pacote de medidas econômicas anunciado pelo governador Rodrigo Rollemberg para equilibrar as contas públicas.

O pacote prevê a suspensão dos reajustes concedidos de forma escalonada em 2013, aumento de tarifas públicas, que incluem o reajuste de passagens de ônibus, da entrada ao Jardim Zoológico de Brasília e do valor cobrado pela refeição em restaurantes comunitários.

Os médicos e enfermeiros do DF estão parados desde o dia 8, e atendem apenas emergências nos hospitais. Os atendimentos ambulatoriais e cirurgias eletivas estão sendo adiadas ou canceladas.

Para a estudante Aline Melo, as paralisações dos metroviários e da saúde são as que mais afetam os cidadãos no dia-a-dia. “Devido à greve, a locomoção está difícil. Os ônibus estão locados e o deslocamento mais demorado. E a greve dos enfermeiros está prejudicando a vacinação das crianças e as buscas por atendimento médico”, disse.

Os metroviários iniciaram a greve no dia 3 de novembro. De acordo com o sindicato, 75% dos 1,2 mil trabalhadores estão parados. Com a paralisação, o serviço passou a funcionar parcialmente: 60% dos trens rodam, e apenas no horário de pico – entre 6h e 9h e entre 17h30 e 20h30. A greve continua.

Em greve desde o dia 16 de outubro, devido ao não pagamento pelo governo da última das seis parcelas do reajuste aprovado em 2013, os professores decidiram em assembleia hoje (9) que a greve será mantida. De acordo com o coordenador de Imprensa do Sinpro-DF, Cláudio Antunes, cerca de 80% dos mestres do ensino básico aderiram à paralisação. Uma reunião está prevista para terça-feira (10) e uma nova assembleia acontecerá na quarta-feira.

Já os agentes do Departamento de Estradas de Rodagem entraram em greve no dia 8 de outubro. O sindicato da categoria não tem estimativa de quantos funcionários aderiram à paralisação. Com a greve, houve a suspensão da reversão de faixas e de fiscalizações de trânsito.

Agentes do Departamento Nacional de Trânsito aderiram a greve no dia 27 de outubro. O sindicato afirma que 100% dos 1,3 mil servidores aderiram à paralisação. Com a greve, os serviços de vistoria de veículos, emissão de documentos, fiscalização de trânsito, apreensão e liberação de veículos, processos de obtenção de renovação de CNH e análise de recursos de multas estão suspensos.

Os funcionários do serviço de pronto atendimento Na Hora, os músicos da Orquestra Sinfônica e os servidores de atividades culturais também iniciaram greves no dia 8 de outubro. Todos cobram o pagamento do reajuste suspenso.

Os servidores da Novacap entraram em greve no dia 3 de novembro. Os servidores pedem reposição inflacionária, que dizem ser de 10%. Com a paralisação, estão suspensas podas e recuperação de asfalto.

 

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário