Digite sua busca e aperte enter


Caminhoneiros fazem protesto na Presidente Dutra

Imagem:

Compartilhar:

PF investiga participação de patrões nos protestos nas rodovias

Criado em 03/07/13 14h50 e atualizado em 03/07/13 18h23
Por Thais Leitão Edição:José Romildo Fonte:Agência Brasil

Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo
O locaute é a paralisação de serviços coordenada pelo setor patronal. Desde segunda-feira, os protestos de caminhoneiros provocam bloqueios em várias estradas do país (Foto: Antonio Cruz / ABr)

Brasília - A Polícia Federal vai investigar a ocorrência de locaute - paralisação de serviços coordenada pelo setor patronal - nos protestos de caminhoneiros que provocam, desde segunda-feira (1º), bloqueios em várias estradas do país. Eles reivindicam principalmente redução nos preços do óleo diesel e dos pedágios. A prática, conforme ressaltou o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, é considerada crime pela legislação brasileira.

Leia também:

- Caminhoneiros fazem paralisação por pedágio gratuito e subsídio do diesel

- Protesto de caminhoneiros interdita rodovia federal no Rio

De acordo com Cardozo, as suspeitas foram apresentadas pelo ministro dos Transportes, César Borges, que lhe enviou um ofício solicitando "a adoção das providências cabíveis para apuração de eventual ilícito penal praticado". Ele garantiu que o governo vai agir com "o máximo rigor" e que os indícios dessa prática são "fortes".

"Não vamos transigir com quem pratica crimes, com quem transgride a lei. O locaute é proibido no Brasil, portanto se alguém espera algum tipo de negociação, se equivoca. Prática de crime não se tolera, ilícitos não se se toleram e vamos ser muito rigorosos nisso", disse, durante entrevista coletiva hoje (3), no Ministério da Justiça.

"As narrativas feitas pelo ministro César Borges e pelo advogado-geral da União, ministro Luís Inácio Adams, trazem indícios fortes de que interesses de grupos econômicos ou empresas podem estar por trás disso [dos atos] e há suspeitas de que crimes decorram dessa prática de locaute. Todos eles serão apurados", acrescentou.

O ministro dos Transportes destacou que apenas o representante do Movimento União Brasil Caminhoneiro (MUBC), apontada como responsável pela convocação da paralisação geral da categoria, Nélio Botelho, tem insistido na mobilização com o objetivo de provocar desabastecimento no país. De acordo com o ministro Adams, Botelho é dirigente de uma cooperativa de autônomos e mantém contratos com entidades estatais, particularmente com a Petrobras. Ressaltou que já foi orientado a iniciar um procedimento de averiguação desses contratos e de possível rescisão contratual.

O ministro César Borges enfatizou que se reuniu, ontem (2), em Brasília, com representantes de vários setores do ramo dos transportes, entre eles os ligados aos transportadores autônomos e aos motoristas: verificou que nenhum deles tinha intenção de levar adiante o movimento, até se posicionando contrários ao enfrentamento.

"Apenas o Movimento União Brasil Caminhoneiro insistiu nessa posição. Vimos, sem sombra de dúvidas, a procura de benefícios próprios às suas organizações. Por isso, solicitamos que o Ministério da Justiça levasse avante investigações para verificar o que está por trás dessa movimentação, que é de um setor minoritário na representação e, também, entre todos que fazem o transporte de cargas no Brasil", disse.

Edição: José Romildo

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário