Digite sua busca e aperte enter


Rio de Janeiro - Repórteres fotográficos, cinematográficos e jornalistas fazem homenagem ao cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Andrade, no local onde foi atingido por um rojão

Imagem:

Compartilhar:

Boff diz que cinegrafista foi morto por radicais do fundamentalismo político

Criado em 11/02/14 23h14 e atualizado em 11/02/14 23h38
Por Cristina Indio do Brasil Edição:Fábio Massalli Fonte:Agência Brasil

O teólogo Leonardo Boff disse que manifestantes que vão para os protestos e praticam a violência, como a que provocou a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Ilídio Andrade, são pessoas radicais que praticam fundamentalismo político. “Se julgam como os únicos portadores de uma ação legítima e aí destroem, agridem pessoas, quebram vidros, bancos e etc. Atos criminosos que, como tais, têm que ser punidos. Isso revela que a nossa própria sociedade é uma sociedade que está em crise. Nossa democracia não é consolidada e capaz de evitar isso”, analisou.

Leia mais notícias:

CPI da Alerj vai investigar vandalismo e morte de cinegrafista Santiago Andrade

Cardozo: é cedo para ligar morte de cinegrafista à crime contra imprensa

Principal suspeito pela morte do cinegrafista trabalha em hospital

Para frei Leonardo Boff, esses grupos falam da agressão causada pelas atividades dos bancos, do sistema capitalista, dos supermercados, mas a violência praticada por eles contra as pessoas é perversa e é crime. “A gente tem que qualificar como crime. Tem que tratar como crime e a democracia tem que usar a sua capacidade de defender-se contra aqueles que querem violá-la. O jornalista e o cinegrafista são fundamentais para fazer circular a notícia e são meios sagrados e por isso têm que ser protegidos.  Todos nós nos indignamos e lutamos contra esta violência, apoiamos as famílias e cobramos do Estado mecanismos de segurança para que eles possam fazer o trabalho de forma profissional, consciente e segura”, defendeu.

Leonardo Boff disse que é preciso criar mecanismos que impeçam que essas pessoas irrompam protestos pacíficos, tirem a legitimidade deles e amedrontem o povo que começa a temer todas as manifestações, até as mais legítimas e bem conduzidas. Para o frei, a intenção desses grupos ao atacar profissionais de comunicação, que estão no desempenho das funções durante uma cobertura, é impedir que os crimes praticados por eles sejam registrados. “O que eles visam é que não seja documentado o ato criminoso deles e, por isso, atacam o cinegrafista. Não é a pessoa que é atingida. É atingido o efeito que esta pessoa faz para a sua informação correta e o acaba denunciando como criminoso de rua. Então eles precisam queimar a prova e agridem os jornalistas”, avaliou.

O frei Leonardo Boff participou com a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, de uma reunião da Comissão da Verdade do Rio (CEV-Rio), no centro do Rio. Os dois destacaram que a mensagem de Arlita Andrade, mulher do cinegrafista Santiago Ilídio Andrade, sobre a morte do marido, defendeu a família e não falou em vingança. “O que a esposa dele falou foi uma encíclica para a sociedade brasileira. Porque ela falou de amor e respeito, nenhuma palavra de ódio e falou da importância da família, porque na família se semeia os valores básicos do respeito. Ela falou com a serenidade que deve ter tocado o coração dos brasileiros, mas deve ter tocado a consciência daqueles que ainda estão vivos e praticaram aquelas ações abomináveis”, disse Leonardo Boff.

No encontro, a ministra propôs a criação de uma comissão com integrantes dos três níveis de governo para a desapropriação da Casa da Morte, em Petrópolis, na região Serrana, e a transformação do imóvel em Centro de Memória. No local funcionou, nos anos 1970, um núcleo clandestino de torturas. O processo de desapropriação começou em 2012 pela prefeitura do município.

Editor: Fábio Massalli

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade