Serviços e comércio lideram criação de empregos em 2012

Carolina Sarres - Agência Brasil 11.10.2013 - 12h39 | Atualizado em 11.10.2013 - 13h10

Serviços e comércio foram os setores que mais criaram postos de trabalho formal em 2012, segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) 2012, divulgada hoje (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Brasília - Serviços e comércio foram os setores que mais criaram postos de trabalho formal em 2012, segundo a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) 2012, divulgada hoje (11) pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Na área de serviços, foram criadas mais de 794 mil vagas em 2012. No comércio, mais de 383 mil. Os setores com os piores desempenhos foram a administração pública, com o fechamento de mais de 166 mil postos, e a agropecuária, que acabou com 19,5 mil empregos.

No total, 1,1 milhão de postos foram criados no ano passado – metade do que foi registrado em 2011 (2,2 milhões). No balanço, são considerados tanto os empregos com carteira assinada quanto os postos sob regime estatutário.

Leia também: Mercado de trabalho mostra tendência de estabilidade

Em relação aos serviços, os destaques em criação de postos foram os setores médicos, odontológicos e veterinários (6,92%), administração técnica (6,72%) e ensino (5,67%) – que demonstra o aumento dos consumo das famílias em saúde e educação.

Percentualmente, o setor da extração mineral foi o que teve o melhor desempenho, com o aumento de 12,06% dos postos, o que representou a criação de 27,9 mil empregos no ano passado. O setor de serviços foi o segundo melhor colocado em termos percentuais (5,17%) – o primeiro em termos absolutos. Os piores desempenhos percentuais foram os mesmos dos piores absolutos – administração pública (-1,83% menos postos) e agricultura (-1,32%).

A Rais é um registro das declarações anuais e obrigatórias de todos os estabelecimentos existentes no país. Gerenciados pelo Ministério de Trabalho e Emprego, os dados são as principais fontes de informações sobre o mercado de trabalho formal brasileiro, sendo usados pelo governo na elaboração de políticas públicas.

Edição: Talita Cavalcante

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0