Digite sua busca e aperte enter


Vista de prédios em São Paulo

Imagem:

Compartilhar:

Mercado caiu na real, diz diretor do Secovi-SP sobre queda no aluguel

Criado em 22/07/15 17h08 e atualizado em 22/07/15 17h45
Por Camila Maciel Edição:Stênio Ribeiro Fonte:Agência Brasil

Novos contratos de locação de imóveis residenciais na capital paulista estão mais baratos do que há um ano, revela pesquisa do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP). É a primeira vez que o índice fica negativo desde 2005, quando teve início o levantamento. Em junho, o valor dos contratos assinados caiu 1% no acumulado de 12 meses. Em relação a maio, também houve queda de 0,9%. “O mercado imobiliário caiu na realidade da locação”, avaliou Mark Turnbull, diretor de Gestão Patrimonial e Locação do sindicato.

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), que é usada para reajustar 95% dos contratos, por sua vez, registra alta de 5,6% nos últimos 12 meses. Para Turnbull, o distanciamento entre o índice e o valor de mercado deve-se a maiores negociações entre proprietários e inquilinos. “Do lado do proprietário, que tinha a ideia de anos anteriores, com valores subindo, achando que teria valores cada vez maiores, [isso] não ocorreu, pela situação macroeconômica. Ele começou a cair na realidade, a ser mais flexível e realista”, apontou.

O diretor avalia que a situação é mais favorável ao inquilino, mas também não está tão ruim para os proprietários. Eles estão conscientes que, se quiserem ter renda, terão que baixar o preço de locação e garantir renda menor do que vinha tendo, de acordo com Turnbull. Ele destaca que, mesmo alugando por valor mais baixo do que o esperado, o proprietário fica desobrigado de despesas como Imposto sobre Propriedade Territorial Urbana (IPTU) e condomínio, que ficam a cargo do inquilino. “O Importante é manter fluxo positivo mensal”, declarou.

Segundo Turnbull, a tendência de queda para locação de imóveis na cidade de São Paulo deve continuar. Ele acredita ainda que a redução de crédito para financiamento imobiliário e o aumento das exigências pelos bancos devem contribuir para que a demanda pelo aluguel permaneça.

A pesquisa mostra ainda que 47,5% dos contratos foram fechados com fiador, seguido por depósito (33,5%) e seguro fiança (19%). As unidades com um quarto foram alugadas mais rapidamente: 19,1 dias para casas com um dormitório e 25,8 dias para apartamentos na mesma condição. As unidades com três quartos, por outro lado, demoraram entre 47 e 52 dias para serem alugadas.

 

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade