Digite sua busca e aperte enter


Destruição na Faixa de Gaza

Imagem:

Compartilhar:

Ataque a campo de refugiados mata uma criança e fere 30 pessoas em Gaza

Criado em 04/08/14 08h48 e atualizado em 04/08/14 14h59
Por Da Agência Lusa Edição:Denise Griesinger

Uma criança morreu e 30 pessoas ficaram feridas após o ataque a um campo de refugiados na Faixa de Gaza hoje (4), minutos após o início do cessar-fogo unilateral israelense, informaram fontes médicas. O ataque atingiu uma casa no campo de refugiados de Shati, matando uma menina de 8 anos, informou o porta-voz dos serviços de emergência palestinianos, Ashraf al-Qudra.

Leia também no Portal EBC:

Ofensiva em Gaza vai continuar até que Israel se sinta seguro, diz primeiro-ministro

ONU diz que um em cada quatro palestinos de Gaza está desabrigado

Mais de 30 de brasileiros permanecem em Gaza

Testemunhas disseram que foi um ataque aéreo de Israel, mas o Exército israelense não comentou imediatamente o incidente, informando apenas que investigaria o caso. No início do dia, o Exército israelense anunciou um cessar-fogo unilateral com duração de sete horas, começando às 8h.

O Hamas disse que aceitaria a manutenção do cessar-fogo, mas alertou os palestinianos para "terem precaução máxima" ao sair das suas habitações. O Exército israelense afirmou que o cessar-fogo teria efeito sobre todo o território palestiniano, exceto a Leste de Rafah, no sudoeste da Faixa de Gaza, perto da fronteira egípcia, onde os confrontos continuam e três soldados morreram na sexta-feira.

Segundo o gabinete do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, esta é a oitava trégua israelense e acontece no momento em que Israel é alvo de indignação internacional, após um tiro de artilharia cair sobre uma escola das Nações Unidas em Rafah, no domingo (3), matando 10 pessoas.

É a terceira vez em 10 dias que uma escola das Nações Unidas é atingida. Nos últimos dois ataques, em Beit Hanoun e Jabaliya, no norte de Gaza, morreram cerca de 30 pessoas. O cessar-fogo coincide com o início de uma operação do Exército de Israel para a retirada de tropas terrestres. Não há informação sobre se a retirada será total e a região que ainda se encontra sobre ataques aéreos e de artilharia.

Todas as tréguas antecedentes foram quebradas, sendo que a última ocorreu no dia 1º de agosto, aceita por Israel e pelo Hamas, e que durou apenas duas horas. Segundo Sami Abou Zouhri, porta-voz do Hamas, o "cessar-fogo unilateral não é mais que uma tentativa de Israel de tirar atenção aos massacres que comete".

De acordo com fontes locais, morreram pelo menos 1.822 palestinianos desde o início do conflito em 8 de julho, enquanto do lado israelense morreram 64 soldados e três civil. Em um comunicado, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, declarou que ao contrário do que afirma o Hamas, o grupo têm lançado mísseis a alvo civis israelenses. O comunicado diz ainda que Israel não quer matar civis palestinos. "É um escândalo do ponto de vista moral e um ato criminoso", afirmou Ban Ki-Moon, o secretário-geral das Nações Unidas. Os EUA, principais aliados de Israel, mostraram-se "consternados" devido aos "bombardeamentos vergonhosos" de Israel.

Sem designar expressamente Israel como responsável, a ONU e Washington sublinharam que o Exército está bem informado quanto à localização de refugiados das Nações Unidas. Israel acusa o Hamas de se servir de civis como escudos humanos e de usar escolas e hospitais para lançar mísseis contra Israel.

Editor Denise Griesinger

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário