Digite sua busca e aperte enter


Deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP)

Imagem:

Compartilhar:

Líderes da base aliada apoiam adiamento de visita de Dilma aos Estados Unidos

Criado em 17/09/13 19h10 e atualizado em 17/09/13 19h29
Por Iolando Lourenço Edição:Nádia Franco Fonte:Agência Brasil

Brasília – A decisão da presidenta Dilma Rousseff de adiar a visita de Estado que faria em outubro aos Estados Unidos agradou a líderes da base aliada na Câmara dos Deputados. De acordo com o líder do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), não teria sentido a presidenta visitar os Estados Unidos, que não deram ao governo brasileiro explicações satisfatórias sobre a espionagem a autoridades e empresas nacionais.

Leia Também:

Governo vai encaminhar mudanças à proposta do Marco Civil da Internet

“Eu antevia [essa decisão], porque ela [a presidenta Dilma] deixou pública sua contrariedade", disse Chinaglia. Segundo o líder, a presidenta também claro que Brasil exigia explicações para que o encontro político ocorresse. Na visão de Chinaglia, as respostas dos norte-americanos foram, no máximo, "de amizade", e o adiamento da viagem mostra a insatisfação do governo com a situação.

Para o líder do PT, José Guimarães (CE), ao suspender a viagem, Dilma sinaliza para uma nova relação pública com os Estados Unidos. “Ninguém deve temer os Estados Unidos. Qualquer grito dos Estados Unidos não pode inibir o governo brasileiro. A presidenta está correta, tem nosso apoio e solidariedade, ela foi uma mestra nessa ação.”

Guimarães disse que o telefonema que o presidente Barack Obama deu ontem (16) para a presidenta não resolveu o impasse criado com a espionagem eletrônica. “Então, ela suspende a viagem e, enquanto isso, o diálogo prossegue. É isso que faz o governante que tem compromisso com a soberania do Brasil e com o Estado Democrático de Direito”, afirmou o deputado.

O líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), criticou a decisão da presidenta de suspender a viagem. Para ele, a presidenta deveria ter um comportamento de estadista, e não ideológico. "O Brasil deve exigir reparação e penalização de quem cometeu [atos de] espionagem, mas não cabe à presidenta adotar um comportamento ideológico. O país já conviveu com situações como a da Bolívia, quando [o presidente] Evo Morales saqueou refinarias brasileiras e o governo não tomou qualquer atitude”, ressaltou Caiado.

Edição: Nádia Franco

 

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário