X

Digite sua busca e aperte enter


Além da dengue, febre amarela e chikungunya, o Aedes aegypti é também o vetor de transmissão da febre zika

Imagem: Emílio Augusto Goeldi/Museu Paraense Emílio Goeldi

Compartilhar:

Zika: relato de transmissão sexual nos EUA é preocupante, diz OMS

Criado em 03/02/16 20h15 e atualizado em 03/02/16 21h10
Por Rádio ONU

O porta-voz da Organização Mundial da Saúde, Gregory Hartl, afirmou nesta quarta-feira (3) que o relato de um caso nos Estados Unidos onde o vírus zika teria sido transmitido sexualmente "levanta preocupações".

Ele disse que a agência está "trabalhando na organização de projetos de pesquisa para entender como e em que condições o vírus pode ser transmitido".

Confira o especial Guerra contra o Zika

Aedes aegypti
Creative Commons - CC BY 3.0 - O mosquito Aedes aegypti é o agente transmissor do vírus Zika (Foto: John Tann)

Mosquito

No entanto, Hartl declarou que "99% dos casos ou mais são transmitidos pelo mosquito, portanto, o mais importante para as pessoas é se protegerem contra as picadas".

Ele afirmou que a proteção começa com "autoridades nacionais fazendo bons programas de controle". Além disso, o porta-voz mencionou diversas medidas que uma pessoa pode tomar, citando o uso de roupas adequadas, repelente e mosquiteiros, entre outros.

Microcefalia

Falando a jornalistas em Genebra, Gregory Hartl lembrou que o "mais importante para a agência são casos de microcefalia" e ressaltou "grande preocupação" da OMS com tais casos e como eles ocorrem, o que está sendo investigado.

Ele disse que "ainda não se sabe se o zika causa esta condição neurológica".

Segundo o porta-voz, o "zika, em si, não é a razão pela qual a OMS declarou uma emergência de saúde pública, mas sim a microcefalia".

Sem Sintomas

Ele ressaltou que o zika é uma doença onde três quartos dos infectados "nem apresentam sintomas" e no restante os "sintomas são leves".

Nesta quarta-feira, a agência da ONU informou que 32 países relataram a transmissão com o vírus desde 2015, a grande maioria na região das Américas, incluindo o Brasil.

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário