Digite sua busca e aperte enter


"Os games são uma forma inegável de cultura", diz presidente da Acigames

Imagem:

Compartilhar:

Gamers querem inclusão de jogos no Vale-Cultura

Criado em 01/02/13 15h23 e atualizado em 18/03/16 15h15
Por Davi de Castro Fonte:EBC

Games - Campus Party
"Game é uma forma inegável de cultura'" diz presidente da Acigames

Os amantes dos games deram início, na Campus Party, a uma mobilização para que o governo inclua a compra de jogos digitais no Vale-Cultura. Por meio da hashtag #ValeCulturaParaGames, eles começaram a agitar o Twitter para acionar também quem não está presente no evento.

O presidente da Acigames e conselheiro do Ministério da Cultura na área de jogos digitais, Moacyr Alves Jr., disse que há uma resistência por parte do governo em permitir a aquisição dos games pelo Vale-Cultura. Os argumentos para isso, segundo ele, seriam o fato de que há pouca produção nacional em games, além da preocupação de que o benefício seja gasto em jogos violentos, como os de guerra. "Isso é um preconceito bobo. Games são uma forma de cultura também, assim como filmes e músicas. Se o governo negar nosso pedido, será um retrocesso para o país. Além do que, o benefício para filmes não impede a compra de filmes estrangeiros e com violência, como os do Van Dame", queixa-se o conselheiro.

Leia também:
Vale-cultura de 50 reais vai servir para adesão de TV por assinatura, mas não vale para games
Designer de jogos dá dicas para quem quer trabalhar com games
Gamificação da pedagogia: entenda como os jogos podem auxiliar no processo de aprendizagem

O pesquisador de jogos e game designer Francisco Tupy também reclama do preconceito que ainda há no Brasil em relação aos games. "Sempre estabelecem uma relação entre games e crimes. Se aparece um psicopata e faz um massacre, por exemplo, logo vão à casa dele ver se tem video-game", diz. Moacyr acrescenta que, ao contrário do Brasil, o mundo todo vê os jogos como revolucionários, principalmente nas áreas da educação, medicina e do entretenimento. "Na Romênia, se você investe em jogos, fica isento de impostos. Na Coréia do Sul, se você está envolvido nesse mercado, fica dispensado do serviço militar. E no Canadá, se você apresenta um projeto de game, as empresas financiam 70% dele, dão o dinheiro na hora", exemplifica.

O presidente da Acigames, entretanto, acredita que o apelo popular pode fazer o Ministério da Cultura a considerar a inclusão dos games no benefício. Ele diz que isso pode revolucionar o ainda embrionário mercado de games no Brasil, aquecendo a economia e atraindo investidores. "Com a inclusão no Vale-Cultura, o Brasil pode se tornar o berço dos games. Conversando com o vice-presidente da maior empresa de aplicativos e jogos para celulares do mundo, ele disse que a medida vai atrair centenas de empresas de jogos para cá. Seria a primeira vez que um governo investe diretamente no produto", completa.

Veja o vídeo:

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade