Digite sua busca e aperte enter


Mãos dadas

Imagem:

Compartilhar:

Doenças raras: o difícil diagnóstico

Criado em 22/05/14 07h27 e atualizado em 13/06/14 11h06
Por Bruna Ramos Fonte:Portal EBC

Crianças com síndrome de Williams
Crianças com síndrome de Williams (Associação Brasileira da Síndrome de Williams )

Por se tratarem de enfermidades com baixa incidência na população, as doenças raras têm tratamento limitado e diagnóstico demorado. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), esse grupo afeta, no máximo, 65 pessoas em um grupo de 100 mil, o que representa cerca de uma a cada duas mil pessoas.

Estima-se que 80% das doenças raras são de origem genética, mas as doenças do foro metabólico e oncológico também contribuem para esta lista. Boa parte não tem cura definitiva e nem tratamento específico. A estimativa é de que existam 7 mil doenças raras distintas e que novas enfermidades sejam descobertas frequentemente.

Pai de uma criança com Síndrome de Williams (ver arte abaixo), Rogério Ribeiro Lemos afirma que o diagnóstico, no Brasil, representa a maior dificuldade do portador de doença rara. “Pois é através do correto diagnóstico que a família começa a luta diária para cuidar da saúde do filho”, explica. Segundo Rogério, a Associação Brasileira de Síndrome de Williams (ABSW) estima que no Brasil há entre 10 a 20 mil casos de pessoas com a desordem genética. Porém, pouco mais de mil casos foram diagnosticados. “Por ser uma doença rara, muitos profissionais da área da saúde e de educação desconhecem essa síndrome”, lamenta.

No próximo sábado (24), a ABSW promoverá o II Encontro Regional de Síndrome de Williams e Familiares do Centro-Oeste. Membro da Associação, Rogério afirma que a principal bandeira do evento será a divulgação da Síndrome de Williams em todo o país, tornando-a conhecida, principalmente, na área médica e educacional. “Além disso, queremos sugerir políticas públicas para melhorar a qualidade de vida das pessoas com esse distúrbio”, relata.

Apesar das grandes dificuldades enfrentadas pelos portadores de doenças raras, o Ministério da Saúde e a Câmara dos Deputados estão atentos ao assunto. Em janeiro deste ano, o Ministério criou a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras que prevê o investimento de R$ 130 milhões para incorporar ao SUS 15 novos exames de diagnóstico em doenças raras, oferecer aconselhamento genético no sistema e custear as equipes de saúde dos serviços especializados. A Câmara, por sua vez, organizou, na semana passada (13/05) uma audiência para debater o tema.

Assista aqui o programa Papo de Mãe falando sobre a síndrome de Asperger:

Creative Commons - CC BY 3.0 -
Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário