Digite sua busca e aperte enter


terremoto do Haiti

Imagem:

Compartilhar:

Como funciona a escala Richter?

Criado em 25/01/13 17h35 e atualizado em 04/05/15 12h07
Por Luanda Lima Fonte:EBC

Você já deve ter ouvido falar que no Brasil não existem terremotos. Na verdade, pequenos tremores de terra acontecem por aqui de vez em quando, mas raramente têm vítimas ou efeitos graves (para conhecer os sismos registrados no país, clique aqui). A força de um terremoto é estimada pela sua magnitude, que está relacionada com a energia sísmica liberada no foco e também com a amplitude das ondas registradas pelos sismógrafos.

Tanto no nosso país quanto no mundo, a magnitude desses tremores pode ser medida pela chamada escala Richter, desenvolvida em 1935 pelo pesquisador norte-americano Charles F. Richter e pelo alemão Beno Gutenberg. De acordo com a quantidade de energia liberada por um tremor, há um número correspondente na escala. Sismos com mais de 4,5 graus, por exemplo, já costumam provocar estragos. Não há um limite matemático para os tremores, mas o terremoto mais intenso da história alcançou 9,5 pontos e foi registrado no Chile em 1960.

É possível calcular também a força de um terremoto por meio da intensidade sísmica, que é uma medida dos efeitos produzidos pelos terremotos em locais da superfície terrestre. A classificação é feita a partir da observação dos danos nas construções, nas pessoas ou no meio ambiente. Esses efeitos podem ser maiores ou menores, de acordo com fatores como a distância do foco do terremoto, com a área, se habitada ou não, com as construções, se bem-construídas ou não.

Assim como as escalas de magnitude, existem diferentes escalas de intensidade sísmica. A mais usada é a que foi criada por Giuseppe Mercalli em 1902 e modificada posteriormente, chamada Escala de Mercalli Modificada (MM). 

Não existe correlação direta entre magnitude e intensidade de um sismo. Um terremoto forte pode produzir intensidade baixa ou vice-versa. Fatores como a profundidade de foco, distância do epicentro, geologia da área afetada e qualidade das construções civís são parâmetros que acabam por determinar o grau de severidade do terremoto. Já a magnitude independe destes fatores.

Com informações do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília.

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade