Digite sua busca e aperte enter


Lana Micol era coordenadora da Rádio Nacional do Alto Solimões

Imagem:

Compartilhar:

Delegada que investiga morte de Lana Micol pede a estabelecimentos comerciais imagens de câmeras de segurança

Criado em 29/05/13 22h21 e atualizado em 30/05/13 19h58
Por Pedro Moreira Edição:Lana Cristina Fonte:EBC

Lana Micol
Além do comércio local, as imagens foram pedidas a agências bancárias e de uma unidade da Polícia Federal, que ficam nas proximidades do local onde ocorreu o crime (Arquivo pessoal )

Tabatinga (AM) - A delegada Fernanda Cavalcante da Costa, responsável pela investigação do assassinato da radialista Lana Micol Cirino Fonseca, ocorrido no último domingo (26), solicitou as imagens das câmeras de segurança dos estabelecimentos comerciais que estão na rota que, provavelmente, percorreram os autores dos disparos. Além do comércio local, as imagens foram pedidas a agências da Caixa Econômica e do Banco do Brasil e de uma unidade da Polícia Federal, que também ficam nas proximidades do local onde ocorreu o crime.

Lana era coordenadora da Rádio Nacional do Alto Solimões, em Tabatinga (AM), emissora da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Ela estava na casa do namorado, Alan Bomfim Barros, com a filha mais nova, de 7 anos, quando foi baleada. Os três tomavam banho de piscina na calçada em frente ao portão, quando dois homens se aproximaram em uma moto, atiraram e fugiram. Alan tentou socorrê-la, mas, ao chegar ao hospital da cidade, Lana já estava sem vida. Ela também deixou um filho de 11 anos.

Ouça também

Hoje (29), o principal suspeito de ser o mandante do crime, o ex-marido de Lana, Edimar Nogueira Ribeiro, foi transferido para o presídio da cidade. Ele estava na carceragem da delegacia de Tabatinga desde ontem (28), quando se apresentou depois de ter sido procurado para prestar depoimento. Edimar foi procurado ainda no domingo, quando os policiais contataram amigos e parentes de Lana. Apesar de ter se comprometido a comparecer à delegacia, ele, inicialmente, desapareceu e parou de atender aos telefonemas da polícia. Os investigadores chegaram a encontrar a casa dele abandonada e com as portas e as janelas abertas.

Depois, nessa terça-feira, ele foi à delegacia acompanhado de uma advogada. Diante de um inicial sumiço e, com informações dadas pela família de Lana sobre as agressões de Edimar enquanto estavam casados e pelo fato de ele não concordar com o pedido de separação apresentado à Justiça no ano passado, além de constantes ameaças à ex-mulher, a delegada Fernanda Cavalcante passou a dar o ex-marido da radialista como principal suspeito da autoria do crime. Ela não acredita que Lana tenha sido morta por causa de sua profissão.

Edição: Lana Cristina

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário