Plano de diminuir preço da energia não será afetado pelo uso das termoelétricas

Daniel Lima - Agência Brasil 08.01.2013 - 14h12 | Atualizado em 08.01.2013 - 14h33

Custo de produção da energia termoelétrica é maior. (nanne dallion / Creative Commons)

Brasília - O presidente do Grupo CPFL Energia, Wilson Ferreira Júnior, disse hoje (8) que o custo pela utilização das usinas termoelétricas não deve comprometer a intenção do governo de reduzir em 20% o preço final da tarifa de energia elétrica. O custo de produção da energia termoelétrica é muito maior, mas ele lembrou que a utilização das usinas não é permanente; é temporária. As termoelétricas só são ligadas quando o nível de água dos reservatórios está baixo.

“Só anularia [a redução] se houvesse a certeza que daqui para a frente não haveria mais chuva e só [usina] termoelétrica. Aí, sim. A gente tem a termoelétrica como um recurso em substituição à água. No momento em que os reservatórios voltam a ficar cheios, as termoelétricas são desligadas”, explicou. Para ele, o impacto no uso da energia alternativa é provisório.

Ferreira Júnior, disse desacreditar em risco de racionamento de energia no país por causa da redução do nível dos reservatórios .

 

Edição Beto Coura  

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0