Digite sua busca e aperte enter


Compartilhar:

Chile utilizará Lei Antiterrorista contra ataques incendiários

Criado em 04/01/13 18h53 e atualizado em 09/01/13 16h57
Por Leandro Melito* - Portal EBC

Piñera anuncia que vai utilizar lei antiterrorista contra ataques
O presidente Sebastiãn Piñera se deslocou até a região de Araucania onde ocorreu o incêndio e anunciou que utilizará lei antiterrorista (Alex Ibañez / Presidência do Chile)

O presidente chileno Sebastian Piñera anuncio que acionará a Lei Antierrorista após o ataque incendiário que resultou na morte de um casal a cerca de 700 quilômetros da capital Santiago na madrugada desta sexta-feira (04).

A ação criminal com base nessa lei apresentada por Piñera faz parte de uma série de medidas anunciadas para combater os incêndios provocados na região, que incluem a criação de uma zona de controle e segurança e a atuação da Agência Nacional de Inteligência para colher informações junto às forças armadas. Cerca de 400 policiais atuarão na região.

“Queremos reafirmar que esse governo seguirá trabalhando para combater a violência e o terrorismo, e para isso vamos utilizar o rigor da lei”, afirmou Piñera que diz se tratar de uma “luta contra uma minoria de delinquentes e terroristas" e negou perseguição contra os indígenas da etnia mapuche. "Não é contra o povo mapuche, mas contra uma minoria de delinquentes”, afirmou.

Conflito

Ataque indendiário resultou em morte de casal de 75 anos no Chile
O casal Werner Luchsinger e Vivianne McKay foi encontrado morto após o incêndio em Araucania, região Sul do Chile (Agência Lusa)

Piñera mudou sua agenda para ir até a região onde ocorreu o incêndio, que consumiu a residência do empresário Werner Luchsinger e sua esposa Vivianne Mckay, ambos de 75 anos, cujos corpos foram encontrados na comunidade de Vilcún. Apenas uma pessoa foi presa, Celestino Córdova Trânsito, de 26 anos, detido após ser atingido por um tiro disparado pelos policiais.

O Ministério Público chileno relacionou o atentado incendiário com o conflito mapuche na região. Em pronunciamento onde anunciou a utilização da Lei Antiterrorista, o ministro do Interior, Andrés Chadwick, também vinculou o incidente com à “causa mapuche”.

O conflito entre indígenas e fazendeiros resultou em assaltos e ataques incendiários a diversas instalações e veículos por parte de grupos encapuzados que portam armas de fogo e que assassinaram um caseiro algumas semanas atrás. A tensão aumentou quando alguns afetados acusaram o governo e a justiça de não agirem e ameaçaram “sair à caça” dos mapuches, a quem consideram autores dos ataques.

Mapuches

Protesto lembra cinco anos de indígena morto no Chile
Protesto em Santiago lembrou os cinco anos da morte do jovem mapuche Matías Catrileo, morto por um policial em 2008 (Mario Ruiz / Agência Lusa)

Uma das etnias mais ativas na política chilena, os mapuches constituem um dos povos originários mais importantes do país, tanto pelo peso social e demográfico como pelo seu forte sentido de identidade cultural. Os indígenas enfrentam empresas agrícolas e florestais da região pela propriedade das terras que consideram ancestrais e tem denunciado o emprego da legislação criada pela ditadura de Augusto Pinochet, que consideram dirigida a julgar e castigar delitos considerados políticos, tendo como propósito central estigmatizar como terroristas as organizações sociais que lutam por terra.

A região de Araucania foi ocupada militarmente pelo estado Chileno em 1883, como parte de um plano de ocupação do território chamado de processo de “Pacificação de Araucania”. Três anos depois, o Congresso criou uma comissão que facilitou a ocupação da região por particulares, deixando 500 mil hectares em posse dos indígenas.

*Com informações da agência pública de notícias de Cuba, Prensa Latina

Leia também:

Protestos por morte de estudante indígena geram confronto entre manifestantes e policiais

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário