Digite sua busca e aperte enter


Na Alemanha protestos acontecem em frente ao Banco Central Europeu

Imagem:

Compartilhar:

Austeridade pós-crise pode aumentar desigualdade na Europa, alerta ONG

Criado em 12/09/13 07h36 e atualizado em 12/09/13 08h34
Por Gilberto Costa Edição:Graça Adjuto Fonte:Correspondente da Agência Brasil/EBC

Lisboa – A receita de corte de gastos do Estado, de investimentos e despesas sociais, pode aumentar a desigualdade entre ricos e pobres na Europa. O alerta é da organização não governamental (ONG) Oxfam, que tem escritório em diversos países, inclusive no Brasil.

A ONG divulga hoje (12) estudo que mostra os riscos sociais causados por políticas de austeridade econômica em implementação em diversos países europeus após a crise financeira internacional (2008).

Leia mais:

Suprema Corte do Peru definirá se Fujimori pode cumprir pena em prisão domiciliar

EUA e Rússia discutem plano de destruição de armas químicas sírias

Rice diz a chanceler que preocupações são legítimas, mas reclama da imprensa

 

Segundo a Oxfan, o número de pessoas pobres na União Europeia (UE) pode chegar a até 145 milhões em 2025. Nos cálculos da organização, em 2011 o número de pessoas pobres já somava 120 milhões nos 27 países da UE (antes do ingresso da Croácia nesse ano), total equivalente à população brasileira em quatro regiões (Norte, Nordeste, Sul e Centro-Oeste).

Para a ONG, as políticas de ajustamento em países como Portugal, a Grécia, Irlanda, o Chipre (sob intervenção de credores externos) e a Espanha (com grande número de desempregados) pode agravar o empobrecimento e gerar situações semelhantes ao que ocorreu com o Brasil e outros países do terceiro mundo nas décadas de 1980 e 1990.

“Os países dessas zonas [América Latina, Africa Subsaariana e o Leste Asiático] receberam resgates financeiros do FMI [Fundo Monetário Internacional] e do Banco Mundial e tiveram que adotar uma série de medidas que incluíam corte de gasto público, nacionalização de dívida privada, redução de salários e um modelo de gestão da dívida [pública] que dá prioridade ao pagamento aos bancos comerciais acima das medidas de recuperação social e econômica”, diz o estudo. O texto destaca que os planos de ajuste econômico do passado “foram um fracasso: um tratamento que pretendia curar a enfermidade matando o paciente”.

De acordo com o estudo, há sinais preocupantes para os europeus. Entre 2008 e 2010, foram gastos 200 milhões de euros com medidas de estímulo econômico na União Europeia e 4,5 bilhões de euros com ajuda ao sistema financeiro. Na análise da ONG, essas medidas acabam por favorecer a concentração de renda. Assim, em 2011, os 10% mais pobres dos europeus totalizavam 3% da renda disponível, enquanto os 10% mais ricos somavam uma proporção oito vezes maior (24%).

Além dos efeitos negativos na distribuição de renda, a política restrita de procurar equilíbrio fiscal, cortando gastos sociais e investimento para que os países voltem a ter capacidade de livre negociação de títulos do tesouro nacional no mercado financeiro, acaba por ter efeito reverso e aumentar o peso da dívida pública no total da riqueza gerada.

Conforme a Oxfan, a dívida pública na União Europeia passou dos 60% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 2008 para mais de 80% no mesmo período de 2013. O efeito foi observado individualmente em diversos países como a Espanha, França, Irlanda, Itália, Portugal e o Reino Unido.

No Brasil, a dívida pública equivale a 41% do PIB (dado do Banco Central), mas a concentração de renda é maior. “Os 20% mais ricos ainda detêm 57,7% do rendimento, em contrapartida a pouco mais de 11% dos 40% mais pobres”, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Edição: Graça Adjuto

 

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique

Deixe seu comentário