Brasil criou mais de 118 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos na última década

Flávia Villela - Agência Brasil 05.12.2012 - 10h00 | Atualizado em 05.12.2012 - 13h29

Um quarto das entidades estão sediadas no Nordeste,o que reflete o fortalecimento da sociedade civil na região. (anapaulabrasa / Creative Commons)

Rio de Janeiro – Das 118,7 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos criadas no Brasil na década passada, 49% surgiram nos últimos cinco anos. A maior parte está relacionada às áreas de defesa de direitos e do cidadão.

A informação faz parte do Perfil das Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos em 2010, divulgado hoje (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Leia também:

Mulheres são maioria entre empregados de fundações privadas, mas ganham menos

Sul e Sudeste concentravam maioria das entidades de assistência social em 2010

Maioria das fundações privadas e associações sem fins lucrativos tem cunho religioso
 

O estudo mostra também que um quarto dessas novas entidades estão sediadas no Nordeste, o que reflete o fortalecimento da sociedade civil na região. Das entidades criadas entre 2001 e 2010, cerca de 30% eram de desenvolvimento e defesa de direitos e associações patronais e profissionais e 27% eram religiosas.

Em 2010, existiam 290,7 mil fundações privadas e associações sem fins lucrativos, o que representava 52,2% das quase 557 mil entidades sem fins lucrativos e 5,2% do total de 5,6 milhões de entidades públicas e privadas, lucrativas ou não.

A pesquisa foi feita com base no Cadastro Central de Empresas (Cempre). Duas versões anteriores foram feitas, em 2002 e 2005, com o objetivo de mapear essas entidades, que, além de não terem a finalidade de obter lucros, devem ser privadas, legalmente constituídas, autoadministradas e voluntárias. Partidos políticos e sindicatos, conselhos, fundos e consórcios municipais e condomínios, por exemplo, não se enquadram nessa categoria.

Edição: Juliana Andrade

  • Direitos autorais: Creative Commons - CC BY 3.0