Digite sua busca e aperte enter


Alto índice de cesarianas não implica em redução nos níveis de mortalidade materna

Imagem:

Compartilhar:

Só há duas indicações absolutas de cesárea, diz médico da Federação de Obstetrícia

Criado em 16/10/14 11h52 e atualizado em 17/10/14 08h04
Por Adriana Franzin Fonte:Portal EBC

Só há duas indicações absolutas de cesárea
Alto índice de cesarianas não implica em redução nos níveis de mortalidade materna (Astaffolani / Wikimedia Commons)

Falta de dilatação, cordão umbilical enrolado no pescoço, cesárea anterior, bacia estreita, nenhum desses motivos é considerado, pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, como justificativas reais de cirurgia cesariana. De acordo com o Dr. James Cadidé, da Comissão de Parto da Febrasgo, só existem duas indicações absolutas: a desproporção céfalo-pélvica e a apresentação prévia da placenta.

A desproporção ocorre quando a ossatura da bacia da mãe é incompatível com a da cabeça do bebê. Isso acontece em casos de mães que possuem alguma deformidade ou desalinho nos ossos, por conta de um acidente ou deficiência física. Ou em casos em que o bebê tem a cabeça maior que o normal, devido a problemas de saúde como hidrocefalia ou diabetes.

Veja também:

Cesárea pode prejudicar formação do sistema imunológico dos bebês, apontam pesquisas

Especialistas defendem conforto no parto normal para diminuir cesáreas no Brasil

Opção por cesariana é cultural, diz pediatra

No caso da apresentação prévia da placenta, o parto normal não acontece devido à oclusão da passagem do bebê. Os dois casos são considerados de baixa incidência.

Há ainda, segundo ele, indicações relativas, ou seja, dependem da avaliação do médico, como: sofrimento fetal quando a mulher não tem dilatação completa, descolamento prematuro de placenta, placenta prévia com sangramento intenso, distocia (complicações que atrapalham ou impedem a passagem do bebê), herpes vaginal ativa (por conta do risco de desenvolver cegueira no bebê), mãe portadora de HIV.

Ouça a entrevista:

Creative Commons - CC BY 3.0 -

James Cadidé reforça também que há situações em que a mulher, por cansaço físico, posição ruim e situações de distocia em que não é possível usar o fórceps (instrumento cirúrgico semelhante a uma colher que é inserido no canal vaginal para ajudar a retirar o bebê) ou a vácuo-extração (ou ventosa – retira o bebê por sucção) a cesárea é recomendada.

Cesariana
Cesariana impossibilita contato da mãe com o bebê (Melimama / Wikimedia Commons)

Essas situações, de acordo com Cadidé, é que fazem com que a Organização Mundial de Saúde (OMS) tenha previsto um escore de cesarianas que é de, no máximo, 15% do total de partos realizados no país. No entanto, segundo a pesquisa Nascer no Brasil da Fundação Oswaldo Cruz, a cesariana é realizada em 52% dos nascimentos e no setor particular, chega a 88%.

“Se nós tivéssemos fazendo mais cesáreas e tívéssemos os melhores escores de mortalidade materna e os mais baixos níveis de mortalidade perinatal isso justificaria, mas não estamos.Estamos entre os piores”, critica o especialista.

Na opinião dele, não é correto culpar apenas os obstetras pelos índices: “É um comodismo assistencial que não envolve apenas médicos obstetras, mas também o gerenciamento dos hospitais. É cômodo ter cesárias programadas para o fluxo de gerenciamento de um centro obstétrico porque se marca a cesárea na hora em que ela é cômoda para todos os atores envolvidos no processo”.

“Nós que lutamos pelo parto natural somos vistos quando chegamos no hospital como um transtorno. A gente é mal olhado desde a hora em que a gente chega no hospital até a hora que a gente sai porque a nossa paciente tem um horário de chegada mas não tem um horário de ir pra sala de parto ou de saída”, reclama.

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário

Publicidade