Digite sua busca e aperte enter


Incêndio em transformador de Imperatriz, no MA, gerou interrupção de enrgia em cidades de todo o Nordeste, e em outras da região Norte

Imagem:

Compartilhar:

Desoneração fiscal do governo federal levou preço da energia elétrica a cair 20%, diz Firjan

Criado em 28/11/13 20h45 e atualizado em 28/11/13 21h46
Por Nielmar de Oliveira Edição:Aécio Amado Fonte:Agência Brasil

Rio de Janeiro - Estudo divulgado nesta quinta-feira (28) pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) constatou que a desoneração fiscal promovida pelo governo federal sobre os custos da energia elétrica fornecida para a indústria, aliada ao processo de renovação das concessões do setor, provocou uma queda efetiva de 20% no custo da energia elétrica no Brasil.

A entidade ressaltou, porém, que os reajustes feitas pelas distribuidoras e a elevação do preço da energia decorrente do acionamento das usinas térmicas – a maioria gerada a partir do gás natural - absorveram mais da metade da redução.

Leia também:

Contrato para construção do satélite brasileiro é assinado entre Telebrás e Visiona

Depois de dez anos, Rio volta a sediar Feira do Empreendedor

Produtor rural que paga dívida em dia tem taxa de juros reduzida para 3,5% ao ano

Segundo as informações da Firjan, o custo médio da energia para a indústria no país chegou a cair 20,8% entre dezembro de 2012 e janeiro de 2013, passando de R$ 332,23 por megawatts/hora (MWh) para R$ 263 o MWh - valor exercido em janeiro deste ano.

O estudo indica que, das 63 distribuidoras analisadas, 36 tiveram aumento do custo da energia entre 5% e 15%, considerando os reajustes já feitos em 2013. Em seis distribuidoras, a variação foi maior de 20%, o que significa que os reajustes absorveram quase toda a redução conquistada em janeiro, após o anúncio do pacote de energia do governo. 

O presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, admite que o país avançou, mas defendeu a necessidade de que a redução do custo da energia continue em debate, principalmente no âmbito dos estados. 

“O peso dos impostos, em especial do ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços], encarece muito a energia e a produção da indústria, dilapidando sua competitividade. O governo federal foi corajoso, demonstrou que é possível reduzir o custo deste insumo. Agora é a vez de os estados avançarem nesta questão”, disse.

Edição: Aécio Amado

 

Creative Commons - CC BY 3.0

Deseja fazer algum tipo de manifestação?

Favor copiar o link do conteúdo ao apresentar sua sugestão, elogio, denúncia, reclamação ou solicitação.

Deixe seu comentário

Publicidade