X

Digite sua busca e aperte enter


Imagem:

Compartilhar:

Eclipse da Superlua de Sangue acontece neste domingo (27)

Criado em 23/09/15 18h11 e atualizado em 28/09/15 10h44
Por Líria Jade* Fonte:Portal EBC

Pela primeira vez em mais de 30 anos, você poderá ser testemunha de uma combinação entre uma Superlua e o eclipse lunar. O raro evento vai acontecer no domingo, dia 27 de setembro, quando a enorme lua será coberta pela sombra da Terra por mais de 1 hora. Todo o território do Brasil vai poder observar, por volta das 22h, a Lua começar a escurecer e ganhar uma coloração avermelhada, conhecida como “Lua de Sangue”, outro fenômeno da noite.

Os amantes de astronomia aguardam a data com expectativa, pois serão grandes eventos astronômicos numa única noite. Além desses fenômenos, outros dois acontecimentos conhecidos como Lua de Sangue e tétrade lunar são previstos para o dia.

Leia também:

Confira como foi: eclipse da Superlua de Sangue encanta observadores

Encontro de telescópios acontece em Brasília durante eclipse da Superlua 

Superluas

A Lua Cheia de 27 de setembro estará a menos de uma hora da máxima aproximação da Lua com a Terra, portanto, ela parecerá ainda maior no céu noturno. De acordo com a Nasa, agência espacial norte-americana, as Superluas acontecem uma vez por ano, em média. Este ano já tivemos duas, mas esta superlua será a mais próxima da superfície terrestre.

Isso acontece porque a órbita da lua não é um círculo perfeito, então em alguns pontos de sua órbita ela parece estar mais próxima do planeta Terra. “Quando a lua está em seu ponto mais distante isso é conhecido como apogeu e quando está mais perto é chamado de perigeu”, explica o cientista da Nasa Noah Petro.

No perigeu, a lua está cerca de 48 mil quilômetros mais perto da Terra do que no apogeu. Essa proximidade faz com que a lua pareça 14% maior e 30% mais brilhante do que uma lua cheia do apogeu. Por isso, a lua cheia do perigeu ficou conhecida como Superlua.

Eclipse lunar

Um eclipse lunar, transforma esse fenômeno num show ainda melhor. Por mais de uma hora, a sombra da Terra, vai “engolir a lua” conforme o planeta se coloca entre o Sol e a lua.

Eclipses lunares ocorrem pelo menos duas vezes por ano, só no século 21 vão acontecer 228 eventos desse tipo. Civilizações como os Incas e os Mesopotâmicos historicamente viam o eclipse lunar como aleatórios e assustadores, quando, na realidade, são fenômenos previsíveis.

No entanto, a combinação de uma Superlua com um eclipse é mais rara. O último evento desse tipo aconteceu em 1982 e o próximo vai ser somente em 2033. “É raro porque é algo que uma geração inteira pode não ter visto”, diz Petro.

O eclipse total vai durar cerca de 1 hora e 12 minutos e será visível nas Américas do Norte e Sul, Europa, África e partes da Ásia e Pacífico.

O eclipse de uma superlua é muito raro e aconteceu apenas cinco vezes desde 1900, em 1910, 1928, 1946, 1964 e 1982. O próximo só vai acontecer em 2033. 

Tétrade 

Uma sequência de quatro eclipses lunares totais que ocorrem num intervalo de seis meses lunares entre cada um deles é chamada de tétrade. A última vez que isso aconteceu foi em 2003 e 2004, são previstas só mais sete tétrades como essa no século atual. O primeiro Eclipse da Tétrade aconteceu no dia 15 de abril de 2014; o segundo no dia 8 de outubro de 2014; o terceiro no dia 4 de abril de 2015, e o último será agora, no dia 27 de setembro de 2015.

Lua de Sangue

Um eclipse lunar total é precedido por um eclipse penumbral, acontece quando a Lua entra na penumbra, parte mais clara da sombra da Terra. Logo depois, há um eclipse parcial quando a Lua entra na umbra, região mais escura da sombra da Terra, e parece estar “mordida”. Na totalidade a Lua fica completamente encoberta pela umbra, porém, ela não fica totalmente escura, mas, com uma cor avermelhada. A cor vermelha é resultado da influência da atmosfera terrestre nos raios de luz.Tudo isso fará com que aconteça um eclipse total de uma Super-Lua de Sangue.

O vídeo da Nasa (em inglês) explica o evento de domingo: 

*Com informações da NASA

Creative Commons - CC BY 3.0
Fale com a Ouvidoria

Deixe seu comentário